Lama, Suor e Óleo Diesel na Cachoeira do Roncador

Lama Suor e água

Lama Suor e água

Já dizia Miguel de Cervantes que ” A perseverança é mãe da boa sorte”, acho que esta frase tem tudo a ver com o post que começo a escrever. Algumas semanas atrás ligou para mim o Sr. João Cadete expressando  sua vontade de conhecer o Brejo paraibano, fiquei feliz  principalmente porque ele mora em João Pessoa, por incrível que pareça os paraibanos não conhecem seus estado e prova disso é que temos recebido mais pessoas do Rio Grande do Norte para visitar nossa região do que os nossos conterrâneos da capital e menos ainda do Sertão.

Tudo ia bem com o planejamento da vinda de João com sua família, até que um belo dia a estrada (PB 105) que nos  liga  até a capital fica sem condições de tráfego. O pior foi saber que o dono do hotel para o qual João viria o desestimula dizendo que não tinha condições dele chegar até aqui, mas isto não o desanimaria, de pronto ele faz reserva em outro equipamento( Hotel Vale do Paraíso em Bananeiras). Ao ligar pra me informar dos fatos e sugiro algumas opções de rota para ele chegar até Solânea.No dia planejado, neste dia visitamos Bananeiras e o Cruzeiro de Roma, nossa aventura estava marcada para o outro dia.

Na Segunda nos encontramos de manhã no hotel e saímos para Borborema, lá deixamos o carro e segumos a pé até a Cachoeira do Roncador, o problema era como voltaríamos de lá depois de andarmos 8km em uma trilha pesada, principalmente por causa da lama, eu esperava que encotraríamos um pouco de dificuldade na trilha devido as chuvas, mas nada parecido com o que tivemos pela frente. Para resolver o problema da volta contratamos motos para nos pegar às 15:00 na cachoeira já que a estrada não passava carro. Seguimos pela trilha por volta das 10:00h, a previsaão de chegada seria às 12:30h no máximo, mas não contavamos com tanta lama, na verdade nunca tinha visto tanta lama nesta trilha. Evidente que a caminhada ficou muito devagar devido aos cuidados peculiares de um terreno escorregadio e com muita água, mas no fim acabou sendo muito divertido, a trilha que duraria no máximo 2:30h acabou em 4h, chegamos no almoço às 2:00h da tarde. Logo após enchermos o buxo fomos visitar a cachoeira, tivemos que atravessar o rio com um certo cuidado, meu amigo Tiago (membro do p9)  me ajudou durante todo trajeto e sua presença se mostrou importante principalmente na travessia que se tornou o momento mais delicado do dia, graças a Deus a Tiago e a um pedaço de corda conseguimos que todos cruzassem sem nenhum problema, ao chegarmos na cachoeira ficamos deslumbrados com a mais bela paisagem da maior cahoeira da Paraíba em plena cheia, um momento mágico, um encontro com o criador.A volta foi tão aventureira quanto a ida, as motos deslizavam que parecia que estávamos andando sobre o sabão, mas tudo terminou bem, a não ser pelo banho de lama que alguns sofreram, nada que não saísse com  uma boa ducha de água limpa.